quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

BR-116 - acidente faz vítima fatal - José Adalto de Andrade, 49 anos, não resistiu aos graves ferimentos e morreu no local do acidente - Km 488 em Inhapim mg

Grave acidente faz vítima fatal na BR-116

última modificação 14/01/2011 


O condutor da carreta José Adalto de Andrade, 49 anos, não resistiu aos graves ferimentos e morreu no local do acidente
Mais um grave acidente foi registrado pela Polícia Rodoviária Federal na BR-116, na tarde desta quinta-feira (13), por volta da 16h30min. O acidente ocorreu no Km 488 em Inhapim. Uma forte batida envolvendo uma carreta placa MDE - Concórdia/Santa Catarina e um caminhão da empresa Cemig placa GVS – 6032/Belo Horizonte fez uma vítima fatal. A colisão foi tão violenta que o eixo do caminhão da companhia elétrica chegou a ser arrancado e a carreta tombou. Os dois veículos foram parar no acostamento.
O condutor da carreta José Adalto de Andrade, 49 anos, não resistiu aos graves ferimentos e morreu no local do acidente. Ele estava sozinho. Segundo o Soldado do Corpo de Bombeiros Militares de Manhuaçu, Loures, a vítima sofreu uma fratura exposta na perna esquerda, fraturas no tórax e traumatismo craniano com perda de massa encefálica. Por coincidência, uma viatura dos Bombeiros Militares passava pela rodovia no momento do acidente.
Ainda segundo o Soldado Loures, ao socorrer José, que ficou preso às ferragens, ele ainda apresentava sinais de vida. O Corpo de Bombeiros Voluntários de Caratinga também foi acionado para ajudar no resgate. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal de Caratinga pelo serviço funerário de Inhapim. A perícia da Polícia Civil também esteve no local para averiguar as possíveis causas do acidente.
No caminhão da Cemig, estava apenas o motorista Rodrigo Freitas Nunes. Na chegada das equipes de resgate, segundo testemunhas, a vítima já havia sido socorrida por terceiros e encaminhada à Casa de Saúde em Caratinga. Pedaços dos veículos ficaram espalhados pelo acostamento e havia muitos curiosos no local. A carreta e o caminhão ficaram completamente destruídos. Mais detalhes, você confere amanhã na edição do Jornal Hora de Notícia às 11:45. 

Descontentamento: faltam redutores de velocidade no Bairro Nossa Senhora Aparecida Em caratinga mg

14/01/2011

Veículos trafegam pelas vias em alta velocidade. Perigo dobrado para as crianças que têm acesso diário às ruas de maior fluxo da localidade

Várias ruas do Bairro Nossa Senhora Aparecida que dão acesso a Professor Colombo Etiene Arreguy são alvo de críticas dos moradores.
A falta de sinalização e de redutores de velocidade causa medo e apreensão.

Veículos trafegam pelas vias em alta velocidade. Perigo dobrado para as crianças que têm acesso diário aos trechos.

Um veículo que passava pelo local, quando a equipe do Super Canal realizava a reportagem, foi a prova de que não há exagero por parte da comunidade que clama por redutores de velocidade.

Moradores contam que cansados de pedirem providências, certa vez, até improvisaram - com matéria prima e mão de obra própria - diversas 'lombadas'. Ação que foi reprovada pela Administração Municipal que retirou os 'quebra molas'.

Além disso, falta infraestrutura! Algumas manilhas das bocas de lobo da Rua Professor Colombo Etiene Arreguy estão quebradas. E até mato foi colocado sobre elas para tentar 'camuflar' o problema.

IPATINGA - MG - Mulher é presa por suspeita de tráfico - A polícia apreendeu drogas na rua Nossa Senhora das Graças, no Centro, região conhecida como “Cracolândia” e prendeu Bertolina de Almeida Rodrigues, 49.

Mulher é presa por suspeita de tráfico


Principal NOTICIAS DE MINAS GERAIS
14/01/2011 


IPATINGA – A polícia apreendeu drogas na rua Nossa Senhora das Graças, no Centro, região conhecida como “Cracolândia” e prendeu Bertolina de Almeida Rodrigues, 49. Há quase um ano em liberdade, a mulher é suspeita de movimentar o tráfico, apesar de ela negar ser a dona do entorpecente apreendido.
Os policiais observaram o movimento de drogas na região onde há um grande número de usuários. Um rapaz identificado pela PM entrava e saía da casa de Bertolina. Na abordagem, ela negou que tivesse alguma relação com o suspeito que fugiu antes da ação policial.
Foram encontradas na residência dois tabletes de crack e cinco sacolinhas prontas para a venda, além de cinco papelotes. Foram apreendidas sacolinhas plásticas, lâminas de barbear e ainda R$ 1.335. Onde estava o rapaz que fugiu, os policiais encontraram uma balança de precisão. A mulher foi encaminhada para a delegacia de Ipatinga.
Adolescente
Em Antônio Dias, uma adolescente de 16 anos foi apreendida com drogas durante a noite de quarta-feira (12). Ela foi abordada por policiais militares na rua Presidente Vargas, no Centro. Com o apoio de uma conselheira tutelar, ela foi revistada. Com a garota foram encontradas dez pedras de crack e seis buchas de maconha.
 

Chuva deixa mais de 400 famílias desabrigadas em Nova Friburgo


Famílias foram levadas para seis abrigos da prefeitura.
Mortos na Região Serrana do Rio passam de 490 desde terça (11).

Rodrigo ViannaDo G1 RJ
tragédia causada pela chuva já deixou 414 famílias desabrigadas em Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, desde terça-feira (11). Segundo o coordenador da Defesa Civil do município, coronel Roberto Robadey, os moradores foram levados para seis abrigos da prefeitura.
De acordo com os últimos levantamentos das prefeituras de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis e Sumidouro, e da Polícia Civil, o total de mortos na Região Serrana chega a pelo menos 497. Somente em Nova Friburgo, segundo a Secretaria de Comunicação do município, foram registradas 216 mortes.

Em Teresópolis, a cidade mais atingida, 223 pessoas morreram na tragédia. Já Petrópolis registrou 39 óbitos, e Sumidouro, 19. A Polícia Civil informou às 19h45 desta quinta-feira (13), que 470 corpos já foram identificados pelos peritos do IML (Instituto Médico Legal). De acordo com a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, o número de mortes pode ser ainda maior.

A chuva que devastou a Região Serrana do Rio esta semana já matou mais gente que a tragédia de Angra, no início do ano passado, e as chuvas de abril, que arrasaram locais como o Morro dos Prazeres, na capital fluminense, e no Morro do Bumba, em Niterói, na Região Metropolitana.
Maior tragédia climática da história do paísA chuva na Região Serrana do RJ já é considerada a maior tragédia climática da história país. O número de vítimas ultrapassou o registrado em 1967, na cidade de Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo. Naquela tragédia, tida até então como a maior do Brasil, 436 pessoas morreram.
No ano passado, de janeiro a abril, o estado do Rio de Janeiro teve 283 mortes, sendo 53 em Angra dos Reis e Ilha Grande, na virada do ano, 166 em Niterói, onde se localizava o Morro do Bumba, e 64 no Rio de Janeiro e outras cidades atingidas por temporais em abril.

Em SP, durante o primeiro trimestte de 2010, quando a chuva destruiu São Luiz do Paraitinga e prejudicou outras 107 cidades, houve 78 mortes. Os números da Região Serrana do RJ superam ainda os de 2008 em Santa Catarina, com 135 mortes. Relembre outras tragédias.
Fornecimento de água e luz começa a ser normalizadoO fornecimento de água e luz começa a ser normalizado no município de Nova Friburgo. Nesta quinta-feira (13), a energia elétrica foi restabelecida para quase 70% dos moradores, segundo a concessionária Energisa. Ainda de acordo com a empresa, na sexta-feira (14), uma subestação móvel deverá ser instalada na região de Conselheiro Paulino, permitindo o atendimento a esse bairro e Riograndina, que ainda permanecem sem energia.
Alguns bairros e distritos, no entanto, ainda permanecem isolados devido a diversas quedas de barreiras e alagamentos em Friburgo desde terça-feira (11), impedindo o acesso e reparo na rede elétrica.
Já de acordo com a Concessionária Águas de Nova Friburgo, também na tarde desta quinta (13), o abastecimento de água começou a voltar 40% dos moradores do município, com o retorno do funcionamento da Estação de Tratamento de Água (ETA) do Debossan junto com as ETAs Rio Grandina e Curuzu, totalizando 200 litros por segundo.
A empresa informou que todo o sistema de abastecimento foi afetado pela falta de energia e pelos estragos causados pela chuva que atinge a região desde terça-feira (11), atingindo inclusive o principal ponto de captação do município – Rio Grande de Cima –, que continuava sem energia até as 19h desta quinta. Técnicos da empresa já conseguiram chegar ao local por meio de helicóptero.
A concessionária ressalta ainda que, com o restabelecimento parcial do sistema, a água só chegará às torneiras dos moradores dentro de 24 horas. Por isso, a empresa ressalta que a população continue economizando água até que o abastecimento seja totalmente restabelecido.
Confira a lista dos primeiros bairros que voltarão a receber água em Nova Friburgo:
- Riograndina
- Curuzu
- Varginha
- Ponte da Saudade
- Muri
- Bairro Ypu
- Catarcione
- Baixo Perissê
- Paissandu
- Centro - somente duas ruas: Alberto Braune e Moisés Amélio

Deslizamento de terra deixa feridos em Mauá, no ABC - Dois acidentes ocorreram na noite desta quinta-feira (13) no Jardim Rosina. Desabrigados deverão ser enviados a abrigos da prefeitura.


Duas pessoas ficaram feridas em um deslizamento de terra no Jardim Rosina, em Mauá, no ABC, por causa da forte chuva que atingiu a cidade na noite desta quinta-feira (13).

De acordo com a Guarda Civil Municipal, as vítimas foram levadas ao Pronto Socorro do Hospital Nardini. Em um outro desabamento, no mesmo bairro, não houve feridos. Cerca de 30 famílias ficaram desabrigadas por causa da forte chuva na cidade. As famílias devem ser levadas a prédios da prefeitura.
A dona de casa Maria Florêncio da Silva, de 60 anos, disse que o acidente ocorreu no mesmo lugar onde há uma semana houve outro deslizamento. Ela afirmou que a polícia interditou a rua na noite desta quinta.
Santo André
Também no ABC, o Corpo de Bombeiros de Santo André foi acionado para atender uma ocorrência de desabamento. Duas residências foram atingidas, na Vila Suíça. Não houve vítimas.

Tragédia no Rio de Janeiro ganha destaque na imprensa internacional


O resgate em São José do Vale do Rio Preto foi divulgada no site do jornal New York Times. As cenas foram gravas pelo cinegrafista Rogério de Paula, da afiliada da Rede Globo.

Tragédia das chuvas no Rio de Janeiro ganha destaque na imprensa internacional. Imagem do resgate em São José do Vale do Rio Preto foi divulgada no site do New York Times.
A tragédia das chuvas no estado do Rio ganhou destaque na imprensa internacional nesta quinta-feira (13).
A imagem impressionante do resgate em São José do Vale do Rio Preto foi divulgada no site do jornal americano New York Times.
As cenas foram gravadas pelo cinegrafista Rogério de Paula, da InterTV, afiliada da Rede Globo.
 

Vídeo mostra resgate de mulher em enxurrada na Região Serrana do RJ

14/01/2011

Moradores de prédio vizinho jogaram corda e conseguiram resgatar a mulher.
Número total de mortos na região subiu para 271 pessoas.

Do G1, com informações do Jornal da Globo
Imagens gravadas por uma equipe da Intertv, nesta quarta-feira (12), mostram o salvamento de uma mulher em São José do Vale do Rio Preto, na Região Serrana do Rio de Janeiro. O vídeo mostra a moradora em cima de uma casa, no meio de uma enxurrada. Um grupo de pessoas num prédio vizinho joga uma corda e consegue resgatar a mulher.


As chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro mataram no total 271 pessoasdesde terça-feira (11).

Em Teresópolis, a cidade mais atingida, morreram 130 pessoas no que o governo do estado chegou a descrever como a maior tragédia da história da cidade. Em Nova Friburgo, morreram 107 pessoas, de acordo com o vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. Em Petrópolis, os mortos são 34, a maioria deles no Vale do Cuiabá, no Distrito de Itaipava.

Equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil continuam, na madrugada desta quinta-feira (13), as buscas por vítimas das chuvas nos municípios de Nova Friburgo e Teresópolis. Já em Petrópolis, os bombeiros suspenderam o trabalho de resgate devido à falta de iluminação adequada.

Oitocentos homens da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros tentam localizar desaparecidos em Teresópolis. O secretário do Ambiente do estado do Rio de Janeiro, Carlos Minc, classificou a chuva como a "maior catástrofe da história de Teresópolis". “Não foi possível escolher o que ia cair. Casa de rico, casa de pobre. Tudo foi destruído”, disse a empregada doméstica de 27 anos, Fernanda Carvalho.

Chuvas em ItaipavaItaipava após a chuva que devastou a Região Serrana do Rio de Janeiro (Foto: Aluizio Freire/G1)

Região Serrana do RJ enfrenta 2º dia de calamidade causada pela chuva

14/01/2011

Ao todo, 400 vítimas das chuvas foram encontradas desde terça-feira. 
Sumidouro é o 4º município a registrar mortes na região.

Carolina Lauriano, Aluizio Freire e Thamine LetaDo G1 RJ, em Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis
As chuvas na Região Serrana do Rio deixaram 400 mortos desde terça-feira (11). Em Nova Friburgo, o número de vítimas já chega a 169. Em Teresópolis, onde voltou a chover por volta das 10h30 desta quinta-feira (13), são 175 mortos, e em Petrópolis, o número é de 39 óbitos, a maioria encontrada no Vale do Cuiabá, Distrito de Itaipava.
Em Campinas, distrito de Sumidouro, a prefeitura confirmou por volta das 15h desta quinta, um total de 17 mortos. Na região, há previsão de mais mortos e o hospital já abriga vários feridos.
Bombeiro soterrado é achado
Um dos corpos encontrados nesta manhã é o do bombeiro Vitor Lembo, que estava trabalhando no Centro de Friburgo, na quarta-feira (12), quando foi soterrado com mais dois colegas. Seu corpo só foi retirado dos escombros nesta manhã, sob lágrimas e aplausos. Além da família, colegas de trabalho, como o coronel Suarez, diretor-geral de saúde do Corpo de Bombeiros, e um outro agente vítima do mesmo desabamento, mas resgatado com vida, choravam.

Tragédia das chuvas atinge casa de executivo de cervejaria de Petrópolis

14/01/2011

Seus dois filhos, que moram ao lado, também perderam tudo.
Sobreviventes contam detalhes do momento da devastação.

Aluizio FreireDo G1 RJ
Depois de participar de uma reunião em São Paulo e verificar a dramática situação da cidade, alagada pelas chuvas, o diretor de qualidade da Cervejaria Petrópolis, Nelson Machado de Souza, 61 anos, comentou com os colegas: “Eu tenho muita pena desse pessoal que dá um duro danado e perde tudo desse jeito”, disse, sem saber que, em algumas horas, já em Itaipava, onde mora, seria mais uma vítima de tragédia semelhante.
Nelson Machado de Souza, 61 anos, teve a casa atingida por um deslizamento de terra em Vale do CuiabáNelson Machado teve a casa atingida por deslizamento de terra em Vale do Cuiabá (Foto: Aluízio Freire/G1)

A casa de Nelson e de seus dois filhos – uma ao lado da outra –, no Vale do Cuiabá, foram invadidas pelas águas que transbordaram do Rio Santo Antônio, que atingiu uma extensão de pelo menos 10 quilômetros levando tudo que estava pela frente.
A tromba d´água invadiu as casas da família Machado por volta das 3h da madrugadaA tromba d´água invadiu as casas da família por
volta das 3h da madrugada (Foto: Aluízio Freire/G1)
A tromba d´água invadiu as casas da família Machado por volta das 3h da madrugada destruindo móveis, televisores, computadores, freezers, geladeiras e arrastando três dos quatro carros que estavam na garagem. Todos estavam desolados, lamentando diante daquele cenário de quartos, salas e cozinhas cobertos de lama, mas, resignados, sabendo que muitos vizinhos não conseguiram sobreviver.
“Em pouco mais de 15 minutos, tudo o que era conforto virou um brejo, lamaçal. A água invadiu tudo, destruindo, arrasando tudo o que tínhamos. Mas são coisas materiais. Podemos reconstruir tudo. Felizmente conseguimos sair a tempo”, afirmou Nelson, feliz ao rever a neta de sete anos no colo do filho.
LágrimasMais adiante, ainda na estrada que liga Itaipava a Teresópolis, Maria de Lourdes Medeiros, 53 anos, nascida e criada naquela região, observava de uma espécie de mirante da tragédia o estrago provocado pelas chuvas na casa situadas à beira do Rio Santo Antônio, na localidade conhecida como Buraco do Sapo.
“Pelo menos quatro pessoas morreram aqui, entre elas a amiga Sonia”, diz , apontando a casa da vítima numa área completamente devastada. O auxiliar de maquinista, Marciano Santos da Costa, 27, chega às lágrimas ao lembrar que ouviu tanta gente gritando por socorro.
“Eram pessoas desesperadas, querendo se salvar, enquanto aquela tromba d'água vinha arrastando tudo, violentamente. Eu aqui de cima, vendo tudo, sem poder fazer nada. Vi a água levando muita gente, até uma criança recém-nascida”, contou, emocionado.
Família consegue se salvarO auxiliar de produção, Wanderson Azevedo da Silva, 28, e a mulher, a camareira Elisângela Aparecida, 33, conseguiram sair de casa a tempo e salvar o filho Cléber Lucas, de um ano e dois meses.
Desabrigados, eles eram algumas das vítimas que receberam quentinhas e outras ajudas de voluntários que atravessaram o lamaçal e percorreram muitos quilômetros para distribuir alimentos e água.
Alguns sobreviventes da tragédia em Petrópolis escaparam por pouco. Foi o caso do cavalariço Bruno Oliveira Amaral, 20, que, no momento do transbordamento do rio, estava com outros três colegas, todos empregados de um haras da região.
“De repente tudo virou um breu. Parecia um dilúvio. O céu negro, muito vento, água e terra descendo com uma força que arrastava tudo. Eu e meu amigos fomos engolidos por uma onda, levamos uma pancada muito forte e caímos no rio. Eu fui me segurando em árvores, galhos, mato na beira do rio, e graças a Deus consegui sobreviver. Ainda não estive com os meus amigos, mas sei que o Miguel, que estava com a gente, não conseguiu sobreviver”, disse, mostrando os ferimentos pelo corpo.

Seguidores